AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
CLAMOR POPULAR

Projeto que proíbe cobrança de tarifa mínima de água na conta da Sanepar está prestes a entrar em discussão na Câmara

Proposta também quer acabar com a cobrança da taxa de esgoto na conta da Sanepar

sexta-feira, 15 de março de 2019 - 19:16:00

Deve entrar em  discussão e votação nos próximos dias na Câmara de Vereadores de Guarapuava o projeto dos vereadores Valdemar dos Santos (DEM), o “Vardinho”, e Maria José Mandu Ribas, que proíbe a cobrança da taxa de esgoto e a cobrança de taxa mínima de consumo de água pela Sanepar em Guarapuava.

De acordo com o vereador Vardinho, a expectativa é de que o projeto inicie a discussão e votação na Casa nos próximos dias. “Há uma grande mobilização popular favorável a este projeto. Ele está tramitando nas comissões permanentes e, em seguida, ele irá para discussão e votação no plenário. Nós acreditamos que o projeto representa a voz do povo de Guarapuava e um anseio de toda a comunidade”, enfatiza Vardinho.

TARIFA MÍNIMA

Atualmente, a Sanepar, empresa prestadora do serviço de abastecimento de água e esgoto do município de Guarapuava, assim como em diversas outras cidades do Paraná, cobra a taxa mínima de água e esgoto para os imóveis municipais, situação que os consumidores não têm outra opção, uma vez que é a única fornecedora no município. “Tal atitude é abusiva, pois não dá alternativa do pagamento somente daquilo que é consumido”, enfatiza Vardinho.

De acordo com a proposta dos vereadores, com a cobrança da taxa mínima de 5 m³, sendo de aproximadamente 5 mil litros de água, aquele que consome menos sente-se desestimulado a praticar a redução no consumo, pois independentemente de consumir menos, pagará sempre esse mínimo. “Dessa forma, as políticas públicas de conscientização não tem efeito para a redução no consumo, ou seja, não se tem intenção de reduzir o consumo de um bem importantíssimo para manutenção da vida, que é finito e tem seu processo de escassez cada vez maior, já que a quantidade de água potável do mundo gira em torno de 3%”, explica o vereador.

“Além disso, quando se cobra a taxa mínima, soma-se o percentual de esgoto, ou seja, 80% sobre o valor cobrado, daí que cobra-se sem de fato utilizar o serviço. No Estado do Paraná já existem Municípios com Leis aprovadas e Projetos de Leis tramitando neste sentido, destacamos Maringá, Guaíra, Paiçandu, Arapoti e Cruzeiro do Oeste, já sancionados”, conclui o vereador Vardinho.

Segundo Vardiunho, o objetivo do projeto é fazer com que a Sanepar cobre apenas pelo que for consumido de água. “Esse é o justo: pagar apenas pelo que se consome e isso que estamos propondo”, conclui Vardinho.

 

 

COMENTÁRIOS