AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
PRESOS

TJ determina transferência de Richa e esposa para Regimento da PM

As prisões foram efetuadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná (MP-PR)

quarta-feira, 12 de setembro de 2018 - 08:02:00

O desembargador Laertes Ferreira Gomes, do Tribunal de Justiça do Paraná, determinou a transferência do ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, Beto Richa (PSDB), e da esposa dele e ex-secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, para o Regimento da Polícia Montada, no bairro Tarumã, em Curitiba. Presos temporariamente no âmbito da Operação Rádio Patrulha, os dois tinham sido levados para o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (mesmo presídio onde ficam os presos da Operação Lava Jato).

A decisão foi proferida por volta das 20h40 dessa terça feira (11 de agosto). Por enquanto, o desembargador não chegou a analisar o pedido de habeas corpus feito pela defesa do casal. No entanto, solicitou informações detalhadas ao juiz Fernando Fischer, da 13ª Vara Criminal de Curitiba, que decretou a prisão dos dois. “Preliminarmente, ad cautelam, deixo por ora deapreciar o pleito liminar, e determino sejam prestadas informações detalhadas pela autoridade coatora, notadamente quanto à situação processual do paciente, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas”, diz o despacho.

INVESTIGAÇÃO

O ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, Beto Richa (PSDB), e sua esposa, Fernanda Richa, foram presos nesta terça-feira (11), em Curitiba. O processo está sob sigilo.

As prisões foram efetuadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná (MP-PR). Richa foi levado para a sede do grupo ainda durante a manhã.

A prisão foi em decorrência da Operação Rádio Patrulha, que investiga o direcionamento de licitação, para beneficiar empresários, e o pagamento de propina a agentes públicos, além de lavagem de dinheiro, no programa do governo estadual do Paraná, Patrulha do Campo, no período de 2012 a 2014. No programa, o governo locava máquinas para manter as estradas rurais.

COMENTÁRIOS