AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
PREOCUPANTE

Mortes de macacos por febre amarela aumentam para 53 no Paraná

São cinco mortes a mais que a semana anterior, que totalizava 48, desde o período de monitoramento, de julho de 2019, até o início desta semana

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 - 09:10:00

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nessa terça feira (12) o boletim epidemiológico da febre amarela confirmando 53 mortes de macacos contaminados pelo vírus da doença (epizootias). São cinco mortes a mais que a semana anterior, que totalizava 48, desde o período de monitoramento, de julho de 2019, até o início desta semana.

As novas epizootias confirmadas para febre amarela aconteceram nos municípios de São João do Triunfo, com quatro casos; e Castro, que apresentou um caso. As duas cidades estão na região dos Campos Gerais, área que concentra o maior número de ocorrências.

“É importante ressaltarmos sempre que o macaco não transmite febre amarela. Da mesma forma que o homem, ele é infectado pela picada do mosquito contaminado. Assim, o macaco é um sinalizador da doença; onde há morte de macaco existe a circulação do vírus”, explicou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

O quadro das epizootias por febre amarela no Estado está distribuído desta forma: Castro, com 12 casos;  Ponta Grossa, 8; São João do Triunfo, 5; Lapa, 5; Ipiranga, 2; Piraí do Sul, 2; Teixeira Soares, 2; Antonio Olinto, 2;  Sapopema, 2;  Cândido de Abreu, 2;  e Araucária, Balsa Nova,  Mandirituba,  Piên,  Quatro Barras,  Rio Negro, Palmeira, Imbituva, Mallet, São Mateus do Sul e Prudentópolis com um caso por município.

Neste período de monitoramento o Paraná não apresenta casos humanos confirmados. Foram 79 notificações: 60 descartadas e 19 em investigação.

VACINA 

Segundo o secretário da Saúde, verão é o período de maior ocorrência de doenças transmitidas por mosquitos, como a febre amarela. Mesmo sem casos humanos ele ressalta a necessidade de se receber a dose da vacina contra a febre amarela, que está disponível em toda a rede de saúde. “A vacina é a forma mais eficaz de se proteger contra a doença”, afirmou.

O público-alvo para vacinação da febre amarela é dos nove meses de vida até 59 anos. Desde 2018, todos os municípios do Estado passaram a ser área com recomendação vacinal contra a febre amarela.

A partir de janeiro deste ano, o Ministério da Saúde recomenda reforço vacinal para as crianças aos quatro anos de idade.

(Foto: Divulgação/SESA)
 

COMENTÁRIOS