Levantamento aponta que 90% dos recursos para investir no setor imobiliário em Guarapuava são devolvidos pela Caixa Econômica

Problema está na regularização fundiária dos imóveis

11/06/2024 10H50

Fotos: Diretoria de Comunicação

Uma questão preocupante foi levantada na manhã desta terça-feira (11 de junho) durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores. Numa proposição do vereador João Saulo Piasecki, o “Professor Saulo”, o Legislativo realizou uma ampla discussão sobre a situação de imóveis urbanos irregulares em Guarapuava. O tema foi amplamente debatido, com dados levantados pela responsável pelo Cartório Carro Quebrado, Livia Paula da Silva, e pela responsável pelo 1º Serviço de Registro de Imóveis de Guarapuava, Patrícia de Battisti Almeida.

Durante o debate, as profissionais traçaram um levantamento sobre a situação em Guarapuava e apresentaram soluções que podem contribuir para equacionar a situação. “O trabalho que vem sendo realizado até aqui pela Prefeitura é de excelência, mas com essas contribuições eles podem ser melhorados”, enfatizou Livia Paula. Ela apontou ainda um prazo de cerca de cinco anos para que o trabalho conjunto entre os cartórios, Câmara de Vereadores e Prefeitura apresente uma nova realidade no setor.

A convidada Patrícia de Battisti explanou sobre a importância da regularização fundiária e sobre os benefícios que ela reverte aos proprietários dos imóveis e também ao Poder Público. “Quando os imóveis estão regularizados, todos ganham. Ganham os proprietários que podem realizar investimentos com recursos da Caixa ou vender e transferir, ganha o município que tem recolhimento de ITBI e que volta em novos investimentos à comunidade. Enfim, é uma rede onde todos saem beneficiados”., explicou.

RECURSOS DEVOLVIDOS

Uma das questões que chamou a atenção durante o debate, foi o volume de recursos que ficam à disposição para investimentos no setor imobiliário em Guarapuava, mas que acabam sendo devolvidos por falta de procura. “Nós procuramos a Caixa Econômica e recebemos a informação que cerca de 90% de todo o montante dispobilizados para Guarapuava acaba sendo devolvido, por falta de procura. Esse dinheiro é fundamental para fazer girar a cadeia de desenvolvimento, envolvendo todo o setor de construção civil do município”, explicou Livia Paula.

PARTICIPAÇÃO

O debate na manhã desta segunda contou com a participação de representantes da Prefeitura, cartorários e pessoas ligadas á construção civil em Guarapuava.

Na avaliação do vereador Professor Saulo, a partir de agora, o objetivo é trabalhar sobre as sugestões apresentadas pelas profissionais e, em conjunto com a Prefeitura, buscar as melhores soluções para a questão. “Se o proprietário do imóvel não consegue investir nele, as lojas de materiais de construção não vendem, prestadores de serviços são prejudicados e daí por diante. Além disso, a geração de ITBI para o município também perde. Nossa proposta é iniciar um amplo debate, para que as soluções sejam buscadas em conjunto por todos os setores envolvidos”, diz Saulo.

“Vamos usar todos esses dados oficiais de hoje para intensificar essa discussão. O objetivo é equacionar o máximo possível o número de imóveis irregulares, dando segurança jurídica e tranquilidade para novos investimentos em suas propriedades, além de movimentar ainda mais a cadeia de construção civil em Guarapuava. Precisamos pensar a cidade, ou seja, planejar", conclui o vereador.

Deixe seu comentário:

Veja Mais