AgronegóciosEditais - Eleições 2020EducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
LUTA CONTRA O CORONAVÍRUS

Bolsonaro diz que ministro assinará parecer para “desobrigar uso de máscara por vacinados”

Bolsonaro, no entanto, não citou datas

sexta-feira, 11 de junho de 2021 - 08:31:00

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nessa quinta feira (10 de junho) que se reuniu com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para pedir um parecer para desobrigar o uso de máscara para quem já recebeu a imunização contra a covid-19 e para quem já foi infectado pelo vírus. O anúncio ocorreu durante evento do Turismo no Palácio do Planalto. Bolsonaro falava sobre viagens que tem feito nacionalmente e ironizou reportagens que noticiam que ele visita os lugares sem o uso do equipamento.

“Conheci Marajó com a Damares. O povo que está lá, dócil, humilde, pobre. Como estive em toda a Bahia, nas minhas paradas inopinadas, tão criticadas pela mídia. “Parou sem máscara, por que parou?” Por coincidência, olha a matéria para a imprensa amanhã. Vou dar uma matéria para vocês aí: acabei de conversar com um tal de Queiroga. Não sei se vocês sabem quem é. Nosso ministro da Saúde. Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados para tirar esse símbolo (mostra máscara) que, obviamente tem a sua utilidade para quem está infectado”, apontou.

Bolsonaro, no entanto, não citou datas e Queiroga ainda não se pronunciou sobre o assunto. A medida do uso de máscaras não foi decidida pelo governo federal, mas sim por Estados, municípios e o Distrito Federal.

O mandatário ainda teceu críticas a governadores por conta de medidas restritivas durante a pandemia. “Se bem que, para nós, no nosso protocolo, para quem estava infectado, esse sim “fique em casa”, não aquele “fique em casa” todo mundo. A quarentena é para quem esta infectado, não é para todo mundo porque isso destrói empregos, mata de outra forma o cidadão. De fome, de depressão”, concluiu.

COMENTÁRIOS