AgronegóciosEditais - Eleições 2020EducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
SEGURANÇA

Apreensão de drogas com uso de cães aumenta em quase 1.000% no Paraná

Uso de animais treinados foi ampliado, em especial em operações pontuais

quinta-feira, 13 de maio de 2021 - 13:30:00

A estratégia da Polícia Militar do Paraná de ampliar o uso de cães em operações contra drogas e armas resultou em aumento de apreensões de ilícitos nos últimos meses. Segundo a Companhia de Operações com Cães (COC), do Batalhão de Operações Especiais (Bope), 79,8 toneladas de drogas e 234 armas de fogo foram apreendidas nos últimos 16 meses.

Em 2020 o total de apreensão de drogas com uso de cães foi de 59,9 toneladas, o que representou aumento de 969% em relação a 2019, quando foram registradas 5,6 toneladas. Nos primeiros quatro meses de 2021, as operações que contaram com o auxílio dos cães apreenderam 14,3 toneladas de drogas, ou seja, 8,7 toneladas a mais que o ano todo de 2019.

Em relação a armas de fogo o número também cresceu nas operações com cães. Em 2020 houve 186 apreensões, contra 141 efetuadas em 2019. De janeiro a abril de 2021 foram 48 armas apreendidas – quase um quarto do total do ano anterior.

O subcomandante do COC, tenente Marcelo Henrique Hoiser, explica que foram criados novos canis da PM no Estado, como o do Batalhão de Polícia Rodoviária, implantado na região Noroeste. Ele também ressalta as ações pontuais. “Aumentaram as operações com uso de cães, com destaque nas fronteiras e divisas. Houve fiscalizações que resultaram em apreensões de drogas em grande escala”, disse.

BOMBEIROS

 O tenente Hoiser também enfatizou as atividades dos cães do Corpo de Bombeiros, que foram essenciais em 20 buscas realizadas e que tiveram o resultado positivo em 2020. O Grupo de Operações de Socorro Tático (Gost), por exemplo, executou 22 buscas, sendo que 14 delas foram exitosas. O terceiro Grupamento de Bombeiros (3º GB) teve sete buscas, duas com êxito.

Os cães também são muito aplicados em operações policiais como barreiras e blitzes, em abordagem a veículos e ônibus de viagem, com o intuito de localizar drogas ou armas que estejam sendo transportandos por pessoas em seus corpos ou em malas e mochilas. Este tipo de ação, aconteceu, por exemplo, na Operação Verão Consciente, em cidades do Litoral paranaense, que contou cães em pontos estratégicos para impedir o tráfico nas praias.

TREINAMENTO 

Os cães policiais precisam de 18 meses de treinamento para estarem aptos ao serviço policial. Há os que são treinados especialmente para a busca e faro de entorpecentes. Neste caso, o treinamento começa quando o animal ainda é filhote.

Após o período de serviço à Polícia Militar, que dura entre seis e oito anos, o cão fica disponível para adoção. Geralmente o policial condutor do cão, que trabalhou com ele por último nas operações, adota o animal.

(Foto: Polícia Militar do Paraná/SESP/PR)

COMENTÁRIOS