AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVagas de EmpregoVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
NAS RUAS

Decreto de Bolsonaro pode soltar ou diminuir pena de quase 1,5 mil presos no Paraná

Crimes envolvendo porte de arma serão flexibilizados

sexta-feira, 24 de maio de 2019 - 08:55:00

O decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), flexibilizando o porte de armas de fogo e munições, pode levar à soltura ou à diminuição da pena de 1.449 presos no Paraná. Os números do levantamento prévio foram fornecidos pelo Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR), que solicitou as informações ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR).

De acordo com essa primeira análise obtida pelo Depen, as mudanças que o presidente implementou no texto na última quarta feira (22 de maio) não alteraram o número de presos beneficiados. O órgão informou à reportagem que, após receber a lista de pessoas atingidas, o Depen encaminhou os nomes para a Defensoria Pública do Paraná, e agora aguarda providências.

O coordenador do Núcleo de Política Criminal e Execução Penal da Defensoria Pública, André Giamberardino, confirmou o recebimento da lista, e afirmou que o órgão analisará os casos para fazer possíveis pedidos de adequação da condenação e da pena. Veja o posicionamento completo abaixo.

Já o TJ-PR informou que não iria se posicionar sobre o assunto.

MOTIVO DO BENEFÍCIO

O efeito ocorre por causa de um dispositivo presente na Constituição. Na alínea XL do artigo 5º, o texto prevê que "a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu".

"Qualquer novo texto que seja benéfico ao acusado ou ao condenado terá efeito retroativo, independentemente do estágio em que o processo esteja", explica Francisco Monteiro Rocha Júnior, advogado criminalista e doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Como o decreto já está em vigor, os presos que respondem ou já foram condenados por causa do porte de armas e munições, nos pontos que foram alterados pelo texto, já têm direito a usufruir do benefício. Rocha Júnior explica que, em teoria, os efeitos do decreto deveriam ser automáticos.

Como há ações na Justiça e no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a constitucionalidade do decreto, porém, a situação pode ficar mais complicada.

"Se houver a declaração de inconstitucionalidade, é como se o decreto nunca tivesse existido e as condenações voltariam à sua existência. Se esses presos tiverem sido soltos, isso pode gerar uma multiplicidade de questões: o tempo que o preso passou solto, por decisão do estado, será contabilizado ou não? Terá que ser resolvido caso a caso", ressalta o advogado.

O TEXTO

Divulgado no dia 8 de maio, o decreto ampliou a autorização para o transporte de armas a novas categorias de cidadãos. Pelo texto, políticos, caminhoneiros e jornalistas passaram a ter o direito ao porte. Além disso, armas mais letais deixaram de ser de uso restrito das Forças Armadas.

Outras mudanças incluíram o aumento, em 100 vezes, na quantidade de cartuchos de munição que podem ser adquiridos e também alterações na prática de tiro desportivo por menores de 18 anos.

Após controvérsias em relação às novas regras, o governo promoveu alterações no texto na última quarta-feira (22). A principal mudança passou a deixar explícita a proibição do porte de fuzis, carabinas e espingardas por civis.

Em janeiro, outro decreto do presidente já havia tratado do assunto - mas, nesse caso, o dispositivo se referia à posse de armas. Com o primeiro texto, o registro de armas passou a ter validade de dez anos e foram estabelecidos novos critérios para a autorização da posse.

Veja, na íntegra, a nota encaminhada pela Defensoria Pública do Paraná:

"A Defensoria Pública do Estado, por meio de seu Núcleo de Política Criminal e Execução Penal - NUPEP - teve acesso na data de ontem (22.05.2019) à listagem contendo nomes de pessoas presas condenadas pelo art. 16 da Lei 10.826/03, crime que trata de arma de fogo, acessório ou munição de uso proibido ou restrito. Considerando que o alcance da proibição depende de ato regulamentador e que foi editado decreto mais benéfico aos condenados, alterando a classificação de armas, acessórios ou munições para uso permitido, a Defensoria analisará a situação processual dos possíveis beneficiários da nova norma e, se pertinente, fará os respectivos pedidos de adequação da condenação e da pena.

André Giamberardino, coordenador do NUPEP"

(Com Gazeta do Povo)
 

COMENTÁRIOS