AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

#DEIXA ELA FALAR

por: Bárbara Franco

quarta-feira, 27 de junho de 2018 - 17:43:00

Confesso que não assisti ao vivo o Roda Viva com a Manuela D’AVila, pré-candidata do PCdoB à Presidência da República. Mas ao ver inúmeras críticas do que aconteceu com ela durante o debate, não me contive e fui conferir o que estava sendo falado sobre o assunto nas redes sociais. Admito que lendo e vendo tantas pessoas reprovando o PROGRAMA quanto a sua postura com a pré-candidata custei a acreditar, que um dos programas mais bem vistos e antigos de entrevistas fez o que fez nessa segunda feira (25).

Então corri assistir no YouTube o programa e fiquei mais decepcionada e indignada como mulher e como jornalista, do que já estava ao ler os comentários sobre o que havia acontecido.

O que vi e ouvi foi uma maré de machismo, de grosseria, misoginia e uma grande disputa para aparecer mais que a entrevistada. Foi uma tremenda aula de jornalismo, do que NÃO se fazer com o entrevistado em um debate como este. Foi feio, Foi ridículo.

A final se tem uma coisa que tenho horror, e isso desde que entrei para faculdade de jornalismo, é JORNALISTA, que se acha o sabidão e pensa (só pensa) que é o rei da coletiva, o expert em sacanear e mostrar que é melhor que o entrevistado. E o que se viu naquela bancada foi exatamente isso uma disputa e das feias.

Não sei se todos eram jornalista, mas os que são acredito que devem saber que o que fizeram foi qualquer coisa menos atitude de profissional que se preze. Bater boca com o entrevistado, não deixa-lo falar, isso não se faz.

Foram contabilizadas por quem viu o programa 62 interrupções durante suas respostas em 75 minutos de programa. Uma analise feita pela Rede Brasil Atual apontou que:

“Para efeito de comparação, outro pré-candidato que esteve no programa, Ciro Gomes (PDT), foi interrompido oito vezes no mesmo período. Manuela considerou o ambiente do Roda Viva como “violentamente hostil”, e afirmou que “não é fácil ser mulher no Brasil”. 

Manuela compartilhou um texto assinado pela internauta Iara Cordeiro que explica a prática sofrida pela pré-candidata: o chamado manterrupting, neologismo em inglês que, em tradução livre, significa “interrupção por homem”.

“Na teoria, se você se propõe a sabatinar uma candidata à Presidência da República, no mínimo vai querer ouvir o que ela tem a dizer. Mas a ideia não era escutar, tanto que ela teve que em um momento dizer que eles gostavam de falar mais que ela”, disse Iara.

“Em um dos momentos, Frederico d’Ávila (diretor da Sociedade Rural Brasileira e coordenador programa de agronegócio do PSL, partido de Bolsonaro) diz: ‘A senhora defende as mulheres, mas a senhora é à favor da castração química para estupradores?’ Manu lacradora responde: ‘Eu defendo que tenha menos estupro no Brasil e sabe como a gente faz isso? A gente faz isso não votando em candidato que defende que mulher pode ser estuprada'”.

Só o que não consegui entender se o debate era para tratar das propostas da pré-candidata ou debater a situação do Lula, a crise na Venezuela, porque para mim o que vi nessa Roda Viva foi absolutamente lamentável. Não deixaram ela falar poxa. Em certo momento Manuela faz exatamente está observação.

“Eu gosto que vocês gostam de falar mais que eu. É fantástico”

Agora pego-me pensando aqui. Quantas de nós MULHERES nos sentimos como Manuela em nossos trabalhos, na universidade, no bar, na praça, na sala de estar, na vidaaa! Muitas, todas nós, porque se alguma não passou por situações assim infelizmente passará (Nem que seja sutilmente e de formas que fiquem difícil de identificar), até que consigamos extinguir todo esse machismo presente na sociedade. Será que se fosse um homem o entrevistado, ele seria tratado da mesma forma que ela? Pois respondo... certamente não!!!

Fica aqui o meu respeito, a minha solidariedade, meu repudio e a minha admiração pela MULHER que és e foi durante o debate para suportar os ataques. ENTÃO SÓ TENHO A DIZER #DEIXAELAFALAR #DEIXAASMULHERESFALAR

E segue o baile da vida! 

(Foto: Reprodução)

COMENTÁRIOS





Segue o baile

Bárbara Franco

Jornalista, canceriana e sócia proprietária do site GRmais Notícias. Um tanto quanto curiosa e com uma mania estranha em querer salvar esse mundão de Deus. Ela é Bárbara!