AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

Mãe é bicho bobo mesmo, né?

por: Fran Rocha

quinta-feira, 26 de julho de 2018 - 11:13:00

Às vezes me pego olhando fotos do meu filho quando bebê... e confesso: foi o período mais difícil da minha vida. Se sinto saudades? Muitas! Nós, mães, só queremos, enquanto bebês, que eles cresçam rapidamente, porque, no nosso inocente coração, darão menos trabalho ou até mesmo será mais fácil entender suas vontades. Ledo engano!

Eles crescem muito rápido e a gente nem percebe. Aquelas mãozinhas que antes tinha, dificuldades até para bater palmas, hoje já manuseiam com facilidade um tablet (ou celular) na busca de desenhos, músicas, jogos e afins. A boquinha, que por inúmeras vezes encontrou no dedinho um brinquedo, hoje já nos surpreende falando “mother”.

A correria do dia a dia é um inimigo feroz. Ela leva tempo e acontecimentos que às vezes nem nos damos conta. Quantas vezes nossos filhos nos pediram colo, ou até mesmo para que brincássemos com eles, ao que respondemos “agora não posso; agora não dá; estou ocupada”. O sentimento de culpa toma conta!

Hoje, refletindo minhas ações como mãe,  vejo que há muito ainda a melhorar. Mas, dentro do possível, tenho me policiado para não estar “ocupada” demais para ele. Mamães e papais aproveitem seus filhos, as palavras de amor e carinho são as melhores que eles podem ouvir. Os elogios tocam a alma e fortalecem a auto estima. Torne seu filho no melhor ser humano que você pode imaginar. Se a casa tá bagunçada ou a pia já acumula louça desde o café da manhã, quem liga? A pessoinha mais importante do mundo tá ali, pedindo atenção. Curta o momento, aproveite! Pois, o tempo não volta!

COMENTÁRIOS





Meu coração e eu!

Fran Rocha

A vida muda todos os dias, e nós temos que mudar com ela. Ser quatro em um já faz parte das nossas vidas e o segredo é sermos felizes e aprender muito com os ensinamentos da vida. Você vai se identificar, em algum momento, com o que tenho para contar.

Mais textos de Fran Rocha