AgronegóciosEducaçãoEsportesGeralPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaTrânsitoVapt-VuptVariedades
ColunistasVídeosÚltimas

Passou quem mereceu

por: Márcio Nei dos Santos

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

"Passou quem mereceu, quem teve o melhor conjunto nos dois jogos. Torcida e time." Esta foi um trecho da postagem do supervisor do Poker/Óleo Leve/Guarapuava Futsal, José Valter Liberato, em uma rede social, no último sábado (15), momentos após a eliminação da equipe na Liga Nacional de Futsal (LNF), quando foi derrotada por 2x1 pela Copagril/Sempre Vida/Marechal Cândido Rondon. A segunda partida da fase de oitavas-de-final foi realizada no extremo oeste do estado, no ginásio Ney Braga, com grande presença da torcida rondonense, mesmo em um horário complicado (13 horas, devido à transmissão do canal SporTV). No jogo de ida, em Guarapuava, menos de mil pessoas estiveram presentes no ginásio Joaquim Prestes acompanhando a derrota da equipe da casa, também pelo placar de 2x1.

A falta de público nos jogos deste ano, no Joaquinzão, não se deu apenas neste jogo. O clube guarapuavano, extremamente dependente da renda vinda da venda de ingressos, vem sentindo, ao longo da temporada, os efeitos da queda na média de torcedores em relação a anos anteriores. Soma-se a este quadro a perda de vários patrocinadores, que se retiraram do projeto devido à crise financeira nacional. A mesma crise contribui para que as pessoas, de modo geral, gastem menos dinheiro com entretenimento. No entanto, só a diminuição da renda das pessoas (combinada com um natural aumento no preço dos ingressos, por se tratar da fase final da competição) não é suficiente para explicar uma queda tão significativa de público em um jogo de "mata-mata" de LNF para uma equipe famosa por ter o fator casa e sua torcida como pontos fortes nas competições que disputa.

Mais dois fatores estiveram presentes nesta equação: Mesmo sendo uma das grandes equipes do futsal nacional, a Copagril não tem mais um grande apelo para o público de Guarapuava. Isso se deu porque, só neste ano, as duas equipes já tinham se enfrentado quatro vezes. Uma na primeira fase da Liga Futsal (outra vitória de 2x1 dos rondonenses, no Joaquinzão) e mais três pela Chave Ouro (uma vitória, um empate e uma derrota, sendo que na última partida, o time de Marechal venceu por de 3x1, também no Joaquinzão). Ainda em 2016, as equipes se enfrentarão pelo menos mais duas vezes: um jogo será pelo returno da segunda fase do estadual e outro pelos Jogos Abertos do Paraná, que serão disputados a partir da próxima sexta-feira (21), em Guarapuava. Ou seja, a presença da Copagril no Joaquinzão, em 2016, não é nenhuma novidade. Muito pelo contrário: o número excessivo de jogos entre as equipes e o retrospecto negativo dos guarapuavanos foi fatal para que muitos deixassem de comparecer só ginásio.

Além disso, a campanha do time de Guarapuava na Liga Futsal deste ano não empolgou em nenhum momento, o que deixou tanto a torcida, quanto o time, pouco confiante na hora da decisão. A equipe guarapuavana fez uma campanha abaixo das expectativas, penando para ficar entre os 16 primeiros, com 18 pontos em 20 jogos disputados (apenas 30% dos pontos possíveis). A Copagril, por outro lado, terminou a primeira fase na primeira colocação geral, com 42 pontos e um aproveitamento de 70%.

Nos dois jogos dos playoffs a superioridade dos rondonenses também foi flagrante: na primeira partida, no Joaquinzão, a Copagril construiu a vantagem na primeira etapa, com gols de Parrel e Eduardo Jabá (Matheus Cortez descontou para o Guarapuava no final do primeiro tempo), e depois controlou o jogo. É bem verdade que o goleiro Devid esteve em noite inspirada, parando o ataque guarapuavano, mas muitos reclamaram que o time esteve longe de demonstrar um "algo a mais" para reverter a situação. No segundo jogo, em Marechal, os guarapuavanos saíram na frente com um belo gol do goleiro Marcão, que aproveitou uma subida de Deivd ao ataque. Mas, embora os guarapuavanos estivessem bem postados na defesa, os donos da casa empataram ainda na primeira etapa, com gol de Pelé. No segundo tempo ,a expectativa era de que o Guarapuava pressionasse, já que só a vitória interessava para provocar a prorrogação, mas na maior parte do tempo da etapa final, quem foi ao ataque foi o time da casa, obrigando Marcão a fazer grandes defesas. Só nos instantes finais, com goleiro-linha, é que o Guarapuava criou algumas chances, mas sofreu o segundo revés, com Barbosinha aproveitando erro de passe e mandando para o gol desprotegido.

Assim sendo, corroboro as palavras do supervisor Liberato: Passou para as quartas-de-final da LNF o time e que se portou melhor, mas não somente nestes dois jogos e, sim, no todo da competição. Deixando o bairrismo de lado, seria muito injusto a Copagril ficar de fora depois de ter feito uma primeira fase quase irretocável na competição nacional. Por fim, é compreensivo que o direito de fique descontente com a baixa presença de público, mas é preciso levar em conta os vários fatores que levaram a esta queda da média de público. Agora resta ficar na torcida para que na Chave Ouro e nos Jogos Abertos o público volte a comparecer no Joaquinzão e que o time reencontre a confiança para se impor, principalmente jogando em casa, para buscar estes dois títulos que podem salvar a temporada.

COMENTÁRIOS





Clique Esporte

Márcio Nei dos Santos

Graduado em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda), atua como fotógrafo e repórter esportivo. Desde 2009, é redator do blog Clique Esporte.