AgronegóciosEducaçãoEsportesGeralPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

Quando acordamos do sonho

por: Flávia Maria Batista

segunda-feira, 11 de setembro de 2017
Então um dia você acorda, e antes de sair da sua cama, fica parado por um minuto e percebe que se sente estranho, diferente. - O que está acontecendo comigo? Você se questiona naquele momento. Você desconsidera aquela sensação crendo que foi somente influência de um sonho ruim e esquisito que teve e continua com o seu dia da mesma maneira que fez ontem, na semana passada, no mês passado,  no ano passado. 
 
Mas alguma coisa não está certa. Você se sente realmente esquisito, incomodado, agitado, olhando para todos os lados procurando descobrir o que pode ter mudado. Você olha para o seu corpo, mas ele continua igual. Você cogita a possibilidade de que está passando mal, pois tudo aquilo que você sempre faz e fez, começa a perder o sentido e você já não se reconhece. Aquele incômodo estranho fica cada vez mais forte. Você tem percebido as pessoas nas ruas em seus passos contínuos, apressados e estranhamente sem rumo, sem consciência. Aquelas pessoas sempre estiveram lá, mas você nunca as tinha notado antes. Tudo fica cada vez mais estranho e perturbador. Por que andam tão rápido? Por que andam tão sérios e com os olhos tão tristes?  Por que tanta urgência? 
 
Mas espere... você sempre fez a mesma coisa, a vida toda, você era uma dessas pessoas! Por que, então, começou a olhar para isso e questionar? Por que isso tem incomodado tanto? Por que perdeu o sentido?
 
Sua conclusão mais lúcida é a de que você enlouqueceu de vez, está com problemas, sente como se fosse um peixinho fora do aquário. Mas como isso é possível se aquele aquário sempre te pareceu tão seguro e estável? Você sempre foi um peixinho feliz dentro daquele mesmo aquário gigante onde os peixinhos sempre pensavam da mesma forma, fazem tudo sempre igual e obtêm sempre os  mesmos resultados.
 
Não se assuste! Você simplesmente se deu conta de que existe muito mais do que um simples aquário, você percebeu que lá fora há um oceano imenso e cheio de possibilidades. Porém, como toda criança que começa a dar os primeiros passos, você vai até a beira do oceano com cautela, molha a ponta dos pés primeiro, volta, senta na areia, observa aquela imensidão azul, sente medo, sente ansiedade, cria histórias falsas de que é incapaz, impotente e medroso demais para mergulhar, ainda assim, não consegue deixar de sentir uma vontade quase que incontrolável de mergulhar, ouve e sente o oceano chamando você pelo nome. Você pode fechar os olhos, você pode fingir que o oceano não está ali, mas a verdade é que ele sempre vai incomodar seu coração te convidando para o mergulho. Depois de ter a consciência e a percepção desse oceano, nada mais consegue ser como era. Ou você pula, ou você pula!
Sim, os primeiros passos do despertar da consciência são realmente esquisitos, incomodam e podem ser extremamente confusos, às vezes doloroso! Algo que sempre serviu, deixa de fazer sentido e você sente como se estivesse caindo num abismo ou flutuando num céu desconhecido. 
 
Percebeu alguma semelhança com seu estado atual de vida até aqui? Está curioso para saber o que acontece depois? Então me deixe dizer: - eu não sei o que vai acontecer com você. Não há como falar das experiências e sentimentos que são dos outros. Mas uma coisa eu te digo: - você está acordando, despertando de um sono profundo e no qual você esteve submerso por toda a sua vida. 
 
- Deve haver algo além do que eu vivo, do que eu costumo fazer! É isso que você vem se perguntando ultimamente? Pois bem, você está certo, há muitas coisas que você ainda não considerou. Sua consciência agora está alerta, suas orelhas estão em pé, seu coração está agitado, você está atento a cada movimento diferente que a vida faz. E alegre-se, você vai descobrir, é inevitável, você vai descobrir. A porta só se abre para aqueles que batem, a resposta só vem para aqueles que perguntam! Você vai se descobrir, mesmo pensando que isso é improvável no meio de todo esse caos. No momento em que isso acontecer, você vai descobrir que provavelmente seja a primeira vez que você se reconheceu em toda a sua verdade e essência. É assustador, mas extremamente libertador. 
 
Permita-me um conselho: Aprenda a perguntar e não a responder! Aprenda a fazer perguntas ao invés de forçar respostas. A pergunta vai  te empoderar, a resposta que você criar para qualquer situação vai te enfraquecer, pois respondemos baseados em nossos limites, em nosso sistema de crenças, imitando velhos padrões que não servem mais. Acorde todos os dias e pergunte ao universo quem realmente você é no meio de tudo isso que está acontecendo! Como é possível saber o que está atrás do véu da sua vida?
 
Ao invés de ficar molhando seus pés com medo de se afogar, entre no oceano do autoconhecimento, MERGULHE, tome fôlego e molhe-se por completo. Só assim será possível calar aquela voz que te atormenta com tantas dúvidas e te deixa inerte e estagnado em uma vida que já não te pertence mais. Coragem! Há vida do outro lado do véu, há abundância, prosperidade, amor, entendimento, consciência, há uma vida linda do outro lado do véu. Coragem!!!!! Mergulhe!!!!
 
Por:  Flávia Maria Batista
Terapeuta de Access Consciousness

COMENTÁRIOS





Desenvolvimento Pessoal e Autoconhecimento

Flávia Maria Batista

Graduada em Letras pela UNICENTRO e Especialista em Língua Portuguesa e Literatura pela UNIVALE. É professora e terapeuta