AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

Do parto para a UTI!

por: Fran Rocha

sexta-feira, 10 de agosto de 2018 - 09:14:00

E, de repente, me vi mãe... de UTI! Sem chão e sem ação. Já sou mãe de um anjo que inesperadamente foi morar no céu (mas isso é outra história, para outro dia). Então, imagine meu desespero quando isso (a UTI) aconteceu.

Pedro (meu filho) nasceu de 32 semanas, com 47 centímetros e pesando 1,750 kg. Me lembro da noite que antecedeu o parto e como foi terrível imaginar que estava revivendo o mesmo pesadelo de ver mais um anjo indo embora. O parto trouxe um misto de alegria por vê-lo vir ao mundo e, ao mesmo tempo, o sentimento de angústia, já que eu havia sido alertada que ele iria dali para a UTI. Ele era perfeito, chorava muito alto. Entretanto, era um bebezinho muito delicado e franzino. Naquele momento, choro de alegria e de angústia se misturam.

Ser mãe de UTI transformou meu modo de ver a vida. Aquele ser maravilhoso lutando pela vida, me dando forças, num momento que essa era minha única opção. Ele estava sendo forte e como eu poderia agir diferente com ele? Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida. Minha entrada no hospital acontecia nas primeiras horas da manhã e as visitas se davam em horários alternados.  Então eu passava o dia lá e saia à noite. O último horário era o mais doloroso, pois eu o via e depois me deslocava até minha casa, que ficava em outra cidade, e só retornava a vê-lo no dia seguinte.

No retorno para casa o silêncio era por vezes quebrado pelo meu choro, que ora era mais intenso, ora era mais contido. E foi assim sucessivamente, por duas semanas, até que nos mudamos pra cidade onde ele estava internado. Estar lá me fazia comemorar cada 5 gramas que ele ganhava e ver o sonho de ir pra casa mais perto, mas me frustrar no dia seguinte, vendo este sonho mais distante, quando ele perdia 15 gramas.

Após 39 dias de luta pela vida e também nos mostrar a que veio, Pedro finalmente recebeu alta. Lembro que eu ainda estava de avental e touca com ele nos braços e saindo daquele jeito, boba de alegria. O coração transbordando de amor e ansiedade. Hoje ele é uma criança super inteligente e amorosa e cada uma de suas conquistas, por “menor”  que seja, é comemorada como um gol no final de um campeonato. Hoje ele me permite viver o que no passado não tive oportunidade.

Sem dúvida, esse “cara” tem uma missão iluminada aqui na Terra. Ele me fez e faz ser melhor a cada dia. Me provou que a vida vale a pena sim, que viver é bom. Tê-lo comigo então, É MARAVILHOSO!

(Foto: arquivo pessoal)

COMENTÁRIOS





Meu coração e eu!

Fran Rocha

A vida muda todos os dias, e nós temos que mudar com ela. Ser quatro em um já faz parte das nossas vidas e o segredo é sermos felizes e aprender muito com os ensinamentos da vida. Você vai se identificar, em algum momento, com o que tenho para contar.