AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
TRANSPARÊNCIA

Conselho Gestor quer que Hospital Santa Tereza abra a “caixa preta”

Exigência é que hospital tenha transparência com gastos e custos

sábado, 9 de junho de 2018 - 13:04:00

Nos próximos dias um Conselho Gestor deve assumir a administração do Instituto Virmond (Hospital Santa Tereza) e auxiliar no processo de recuperação financeira do hospital.

Porém, de imediato, os integrantes do Conselho Gestor querem que o Instituto abra a “caixa preta” e apresente todos os balanços financeiros, apontando arrecadação e custos de manutenção e custeio.

Devido à urgência e gravidade da situação, com uma dívida de R$ 1,3 milhão, o Conselho Gestor deve iniciar as atividades já na próxima semana, fazendo um levantamento da real situação do Hospital.

Para o prefeito Cesar Filho, a transparência nos balanços financeiros é de fundamental importância. “A situação tem que ser analisada com muito cuidado. De nada adianta a sociedade se organizar e resolver o problema do Santa Tereza agora, de R$ 1,3 milhão, e dentro de alguns meses a situação voltar a ficar crítica. O Conselho tem pessoas com conhecimento técnico e experiência e podem ajudar a recuperar a saúde financeira do hospital”, enfatizou o prefeito.

CONSELHO GESTOR

O Conselho Gestor é formado por membros da 5ª Regional de Saúde, Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava (ACIG), Maçonaria, Conselho Regional de Medicina (CRM), Câmara Municipal de Guarapuava, Faculdades Guairacá e Campo Real, Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Sindicato Rural, Conselho Municipal de Saúde, Secretaria Municipal de Saúde, Instituto Virmond, além de representantes dos deputados estaduais Artagão Júnior, Bernardo Carli e da ex-deputada Cristina Silvestri.

EXPERIÊNCIA

Para auxiliar a recuperar o equilíbrio financeiro do Hospital Santa Tereza, foi acionado o empresário Rui Primak, que já foi provedor do Hospital São Vicente de Paulo. Entre os anos de 2013 e 2014, o São Vicente atravessa uma grave crise financeira, também com risco de fechamento.

A difícil situação, que se arrastava há anos no São Vicente, foi equacionada graças a um amplo projeto de economia e de busca de parcerias com os governos estadual e federal, com a conquista de repasses de subsídios mensais para as despesas de custeio, além da realização de diversas promoções e atividades beneficentes junto à comunidade regional. Nesse período de recuperação, Primak esteve à frente da provedoria do São Vicente. Agora, as entidades e o próprio Instituto Virmond, contam com a sua experiência de administração hospitalar para auxiliar a recuperar também o Santa Tereza.

 

COMENTÁRIOS