AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
ELEIÇÕES 2018

Lula desiste de pedido de liberdade no STF

Haddad disse que o PT entrará na Justiça para garantir a participação de Lula nas sabatinas e debates

terça-feira, 7 de agosto de 2018 - 08:11:00

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou, nessa segunda feira (06 de agosto), que sua defesa retire o pedido de liberdade ao petista que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi comunicada nesta segunda-feira por Lula, durante visita de seus advogados à carceragem da Polícia Federal do Paraná. A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que esteve com Lula nesta segunda, explicou que a decisão foi tomada para evitar que o STF analisasse, no caso, também, a elegibilidade de Lula.

“O presidente está animadíssimo com a coligação que formamos e tomou uma decisão importante que é a retirada da cautelar no STF que pedia sua liberdade. Tomou essa decisão de forma consciente, abrindo mão de sua liberdade pelo compromisso que tem com o país e com sua dignidade. Não aceita a chicana que foi feita com esse recurso, de se levar ao pleno do supremo a antecipação do pedido de se impedir sua candidatura”, comunicou Gleisi, ao deixar a sede da PF, informando que os advogados do ex-presidente protocolaria ainda nesta segunda a desistência do recurso.

Candidato a vice de Lula, Fernando Haddad, que também esteve com o ex-presidente nesta segunda, disse que a decisão foi uma resposta a uma manobra do STF para julgar a candidatura de Lula antes mesmo de seu registro. “O que tramitava no STF era um pedido de liberdade, que iam usar para julgar a elegibilidade, o que não constava no pedido. Como ele deixou claro que não troca a dignidade pela liberdade, ele está retirando esse pedido e deixando claro que levará o registro da chapa no próximo dia 15”, afirmou.

Haddad e Gleisi comentaram que Lula se mostrou satisfeito com a confirmação do apoio do PC do B e do Pros à sua candidatura e com a adesão de Manoela D’Avila a sua campanha. O ex-prefeito de São Paulo negou que a confirmação da coligação já evidencia o plano B do partido, de tê-lo como candidato, com Manuela de vice, em caso de cassação do registro de Lula. “Não existe essa discussão de plano B dentro do PT, nem com o PC do B, o que existe é a luta para manter o desejo de mais de metade dos brasileiros, de fazer tudo para que Lula seja candidato. E, por isso, o registraremos dia 15”.

Haddad disse que o PT entrará na Justiça para garantir a participação de Lula nas sabatinas e debates, mas se declarou preparado para ser a voz do ex-presidente onde ele for impedido de estar. “A partir do dia 15, o código eleitoral é claro. Ele é candidato e mesmo que sua candidatura seja impugnada, a candidatura sub-judicie goza das prerrogativas de qualquer candidatura, inclusive de participar de debates e entrevistas. Nosso pedido é que ele participe dos debates, mas se não, que possa indicar representante”, disse. “Estou na condição de candidato a vice, foi comunicado ontem o acordo com o PC do B e tendo sido coordenador do programa de governo do Lula, estou em condições de explicar ao povo como vamos sair dessa crise que o governo Temer instaurou no país”, acrescentou.

COMENTÁRIOS