AgronegóciosEducaçãoEsportesGeralPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos

Até quando tanto descaso?

Eu queria que muitas pessoas ficassem algumas horas atendendo doentes dentro de um hospital, frente a realidade em que hoje se encontra a saúde pública.

por: Emanoel Severo

quarta-feira, 2 de março de 2016

Com o tempo, os desabafos vão se tornando cada vez mais sinceros…
Pedi a valorização dos profissionais de saúde…
Pedi humanização, menos violência, mais sensibilidade…
Pedi para que as pessoas valorizassem os detalhes…
Quem sabe um dia as pessoas entendam porque eu falo tanto em Higienização das Mãos.
Mas não podemos desistir! Então resolvi traduzir minha “persistência”. E foi assim que tudo começou:

É incrível como o ser humano faz descaso para algumas causas sociais tão importantes enquanto por outro lado valoriza coisas tão banais.
Quer saber, quem sabe a copa do mundo ou o artista “gostosão” que “pegou” a atriz modelo famosa seja mesmo mais saudável que a prevenção de doenças. Eu queria que muitas pessoas ficassem algumas horas atendendo doentes dentro de um hospital, frente a realidade em que hoje se encontra a saúde pública.

Quem sabe o materialismo diminuísse se alguns indivíduos sentissem na pele o que é perder o quase nada que se tem em uma enchente.
Realmente muita coisa não se faz com hospitais, mas em um serviço de saúde se faz verdadeiros milagres (ou não) pra atender os milhares de pacientes que adoecem todos os dias, em leitos escassos e condições precárias.


Porque enquanto o cantor sertanejo da calça apertada ganha fama e valor, o jogador ganha milhões e o político armazena em sua conta privada muito um dinheiro “nosso”…há pessoas sentindo dor, angústias, sofrendo e morrendo com tanta desigualdade social.
O que escrevo é o que todos algum dia já falaram ou até já escreveram em suas redes sociais. Não seria esse o momento de pegar as palavras e transformá-las em ação?


Compartilho uma situação que me mostra a triste ignorância em que se encontra o ser humano moderno: Em meio a tantas doenças, tantas catástrofes e tanta indiferença, resolvi criar uma página em uma rede social na qual indivíduos se comprometeriam a lavar as mãos. Lancei esse desafio na rede.


Se o famoso pop star posta uma frase dizendo “fui ao banheiro” dois milhões de pessoas curtem, compartilham, admiram e se imaginam vivendo aquela situação. Agora, quando é para se comprometer a lavar as mãos…as pessoas fazem descaso.


Só pra constar uma descrição técnica: está provado pela Organização Mundial de Saúde e por estudos científicos baseados em evidência, que 80% das doenças infecciosas são transmitidas pelas nossas mãos, sendo a higienização das mesmas, a ação mais simples, mais barata e mais eficaz para o profilaxia das infecções, seja nos hospitais, em clínicas, nos postos de saúde, nas escolas, nas lojas, bancos, etc.
Eu vejo muitas pessoas adoecendo todos os dias; vejo muita dor nos leitos hospitalares e muitas famílias lamentando a morte de seu ente querido que já aguardava a meses por um procedimento cirúrgico, e morre de infecção hospitalar.


Vejo muitos profissionais de saúde comendo com uma luva de procedimento na mão após atender pessoas doentes e pegar no suor, no sangue, no catarro ou em qualquer que seja o líquido corporal. Vejo inúmeros profissionais que andam com seus jalecos pelas ruas carregando consigo todos os vírus, bactérias, fungos e protozoários. Vejo muita gente fazendo descaso pra coisas tão importantes.
Sabe, as vezes eu queria acordar leigo e ficar por 24 horas sem sofrer vendo tantas atrocidades. Queria falar só de novela, de futebol…fazendo de conta que tudo está perfeito. Queria comer a maionese do restaurante sem ter medo de desenvolver uma diarréia, porque a tiazinha que “bateu” o molho não lavou o alimento ou as suas mãos. Queria andar de ônibus sem pensar que há pessoas doentes tossindo e espirrando e pegando no pegador, que eu passo as mãos e levo na boca, no nariz e no olho.
Até quando as pessoas vão fazer tanto descaso?


O profissional de saúde, só se preocupa com o acidente de trabalho com uma agulha suja com sangue, depois que sofre um acidente e passa meses investigando HIV.


Da mesma forma que o “cara” só usa o preservativo depois que descobre que teve relação sexual com uma mulher com AIDS.
Da mesma forma que o motorista só para de dirigir alcoolizado, depois que um bêbado fura a preferencial e pega de cheio o carro do seu filho.
Precisamos ter um surto para as pessoas lavarem as mãos?


Quem sabe minhas palavras não lhes sejam importantes…mas pelo menos lave suas mãos!!!
Se for fazer descaso…faça ao meu texto.

COMENTÁRIOS





O olhar daquele que cuida

Emanoel Severo

Meu nome é Emanoel Severo, tenho 26 anos, sou enfermeiro e trabalho com controle de infecção em serviços de saúde. Especializei-me em Estomaterapia, trabalho no Hospital São Vicente e sou Professor em cursos técnicos, graduação e pós-graduação em Enfermagem - Faculdade Guairacá e Futura Educação Profissional.