AgronegóciosEducaçãoEsporte e LazerGeralObituárioPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
#PARTIU CAMPINAS

Ponta Grossa decola com a Azul e leva Guarapuava no bagageiro

Com novo aeroporto, Princesa dos Campos Gerais viabiliza empresa aérea com outros municípios

sexta-feira, 1 de julho de 2016 - 16:51:00

O governador Beto Richa e o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, na inauguração do novo aeroporto da cidade: acordo com outros municípios, onde Guarapuava está incluso, permitiu que a cidade dos Campos Gerais viabilizasse seu investimento. Guarapuava levou, mas ficou na retaguarda, porque não investiu na modernização do seu defasado aeroporto

 

Não foi por acaso que o deputado estadual Plauto Miró Guimarães, de Ponta Grossa, articulou uma reunião com vários prefeitos do interior do Estado, entre eles o de Guarapuava, Cezar Silvestri Filho, semanas atrás. O assunto, debatido na presença do secretário-chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, era um acordo entre vários municípios para viabilizar a implantação de uma linha da Azul Linhas Aéreas, interligando esses pontos, e tendo como base principal Ponta Grossa.

O fato é que a Princesa dos Campos Gerais, como é conhecida a cidade pontagrosensse, já tinha alçado voos mais altos que Guarapuava, ao promover a ampliação e modernização do seu aeroporto. Sozinha, entretanto, não conseguiria bancar uma linha exclusiva, por estar muito próxima do aeroporto de São José dos Pinhais, que atende toda a Região Metropolitana de Curitiba e parte do Paraná (inclusive Guarapuava), e dependeria de outros municípios para que a Azul tenha número de passageiros suficientes para encher uma aeronave.

Enquanto Guarapuava continuará com seu defasado aeroporto, Ponta Grossa inaugurou o novo nesta quinta (30), com direito à aterrissagem e decolagem da aeronave ATR -72600, que operará dois voos diários na linha Ponta Grossa-Campinas, em São Paulo. O aeroporto de Ponta Grossa está apto a receber aviões de grande porte.

REDUÇÃO DE IMPOSTOS – A Azul conseguiu costurar um acordo de incentivo tributário com o governo do Estado, pelo qual poderá estender a linha entre Ponta Grossa, Umuarama, Guarapuava e Pato Branco. Pelo acerto, haverá uma redução, em dois pontos percentuais, na carga tributária do ICMS nas compras de querosene de aviação, para cada nova cidade que passe a ser atendida pelo serviço. A alíquota, de 18%, passa para 16% com o início dos serviços aéreos em Ponta Grossa. A redução é progressiva na medida em que haja expansão para outras cidades, até o limite de 8%. 

Ao anunciar, recentemente, a "conquista" da linha aérea, o prefeito Cezar Silvestri Filho omitiu esses detalhes. Eles são necessários para que Guarapuava possa fazer uma avaliação mais criteriosa de suas necessidades e potencialidades. Uma delas é de que, sem o efetivo fortalecimento da economia regional, envolvendo os demais municípios da Região Central, o Município continuará ilhado, dependendo de outras cidades, como Ponta Grossa, para viabilizar antigos e indispensáveis sonhos.
 

COMENTÁRIOS