AgronegóciosEducaçãoEsportesGeralPolíticaRegiãoSaúdeSegurançaVariedades
ColunistasVídeosÚltimasGaleria de Fotos
MORTE DO EX-PROCURADOR

Acusados de crime em Chopinzinho são julgados em Guarapuava

Dois acusados estão sendo julgados, suspeitos de intermediar a contratação do autor do assassinato

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Elvi Aparecida Haag Ferreira, de 42 anos, a “Macumbeira”, e o marido, Nilton Ferreira, são apontados como intermediários na contratação do homem que matou o ex-procurador, num crime em que o mandante seria o então prefeito da cidade

Dois acusados pela morte do procurador Algacir Teixeira de Lima, de Chopinzinho, estão sendo julgados na manhã desta quarta-feira (29) pelo Tribunal do Júri de Guarapuava. O crime, ocorrido no dia 16 de março de 2015, tem como principal acusado o então prefeito da cidade, Leomar Bolzani. Quem está sendo julgado agora são Elvi Aparecida Haag Ferreira, de 42 anos, conhecida como “Macumbeira”, e o marido dela, Nilton Ferreira, de 44 anos, acusados de serem os contratantes do autor do assassinato, o "pistoleiro" Darci Lopes de Aquino, a mando do ex-prefeito e de um assessor, Giovane Baldissera, o "Pardal", segundo o processo.

O júri em Guarapuava foi escolhido a pedido da acusação, para garantir imparcialidade na decisão (o corpo de sentença é formada por pessoas da cidade), considerando, no entender dos advogados e promotores, que o ex-prefeito continua a exercer influência política em Chopinzinho.

O presidente da OAB do Paraná, José Augusto Araújo de Noronha, a secretária-geral Marilena Winter e o conselheiro federal Cássio Telles acompanham o julgamento. Desde o assassinato do advogado, a OAB cobrou a apuração rigorosa dos fatos, acompanhou as investigações e atuou como assistente de acusação, tendo em  vista que o crime se deu em razão do exercício da profissão e se trata de uma ofensa à liberdade da advocacia. Foram designadas para atuar como assistentes em nome da OAB as advogadas Viviane Brisola e Caroline Spader. O fato mereceu repercussão nacional, inclusive no Conselho Federal da OAB, por se tratar de gravíssimo caso de violação das prerrogativas.

Algacir Teixeira Lima vinha apresentando denúncias de irregularidades na Prefeitura de Chopinzinho contra o ex-prefeito e um assessor. Acusação sustenta que este foi o motivo do crime

Procurador foi morto na garagem de casa, na frente das duas filhas

Procurador do município de Chopinzinho, Algacir Teixeira de Lima foi assassinado na garagem de sua casa, com seis tiros, na frente das duas filhas. Conforme consta nos autos, o prefeito e seu assessor desconfiavam que ele era o autor de denúncias anônimas apresentadas ao Ministério Público do Paraná, sobre irregularidades na administração municipal. 

O processo contra o ex-prefeito Leomar Bolzani, acusado de coautoria do crime, correu inicialmente no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), mas retornou à primeira instância após ele renunciar ao cargo. Hoje, se encontra em prisão domiciliar.

O autor do crime, Darci Lopes de Aquino, deu uma primeira confessando que matou a mando do então prefeito e do assessor. Na sequência, mudou a versão, afirmando que fez a execução porque o procurador lhe devia R$ 2,5 mil.

A acusação diz ter provas para sustentar a autoria e coautoria do crime.

COMENTÁRIOS